Growth Dev

Se você quiser se tornar um programador ou uma programadora, aqui você vai conseguir! Confiança Sempre!!!

Estruturas de Dados: Listas, Filas, Pilhas, Conjuntos, Árvores e Hash Tables

Hoje temos cada vez mais aplicações para resolvermos problemas envolvendo uma grande quantidade de dados. É imprescindível na hora em que vamos arquitetar os nossos sistemas, escolher os recursos de programação que irão manipular esses dados o mais eficiente possível. As técnicas de estruturas de dados nos ajudam conceitualmente nesta questão, para isso, você tem que entender como as diferentes formas de listas funcionam, bem como e onde utilizar, por exemplo, as pilhas, filas, conjuntos, etc..

As estruturas de dados são formas de distribuir e relacionar os dados disponíveis, de modo a tornar mais eficientes os algoritmos que manipulam esses dados. Existe uma grande variedade de estruturas de dados que podemos utilizar. A linguagem Java possui uma coleção completa de estruturas de dados (Collections) que podemos utilizar. Mas, é importante você entender como cada implementação funciona internamente. Só assim você vai conseguir decidir qual será a melhor  opção para o programa que você está desenvolvendo.

estruturas de dados em Java

O Java tem também outras implementações que trabalham com o conceito de key-value pairs, ou seja, cada elemento de sua lista possui uma chave e valor associado. Além da utilização de técnicas de hashing

técnicas de hashing - estruturas de dados

Dentre as mais variadas utilizações das estruturas de dados, podemos destacar:

  • Vetores (Arrays)
  • Listas
    • Listas encadeadas  (Linked Lists)
    • Listas duplamente encadeadas (Doubly-Linked Lists)
  • Filas (Queues)
  • Pilhas (Stacks)
  • Conjuntos (Sets)
  • Árvores (Tree)
  • Tabelas espelhadas (Hash Tables)

Considerando os dados  {X1, X2, X3, …, Xn) vamos ver como cada estrutura se comporta.

Vetor ou Array é uma estrutura de dados estática. Segundo DEITEL (2016, pág. 192), Arrays são estruturas de dados consistindo em itens de dados do mesmo tipo relacionados. Arrays tornam conveniente processar grupos relacionados de valores..

O acesso aos elementos de um array é por meio de índices únicos que vão de 0(zero) à “n” posições. Ou seja, o índice 1, no exemplo logo abaixo, .aponta para X2. Em resumo, é um tipo de armazenamento sequencial.

matriz

Conceitualmente, você vai se deparar com as Matrizes ( Array multi-dimensional). Em resumo, trata-se de um vetor de vetores. De acordo com DEITEL (2005, pág. 223), os arrays com duas dimensões costumam ser utilizados para representar tabelas de valores que consistem nas informações dispostas em linhas e colunas

Identificamos os elementos da tabela através de 2 índices. Por convenção, primeiro identificamos a linha e em seguida a coluna.

Vetores e matrizes

Uma lista  é uma série de elementos ligados. Uma lista encadeada ou lista ligada, é uma sequência finita de elementos ligadas entre si, onde uma célula da lista aponta para a próxima célula sequencialmente.  As listas encadeadas são úteis para representar conjuntos dinâmicos de dados. Ou seja, você não precisa definir um tamanho máximo para uma lista.

Lista Ligada

Já a lista duplamente encadeada ou duplamente ligada, o que difere é que um elemento aponta tanto para a próxima célula quanto para a anterior. 

Lista duplamente ligada

As pilhas e as filas são consideradas listas especializadas por possuírem características de uso próprias. Seus elementos são organizados em função de um critério que regulamenta a entrada e saída dos elementos. 

Uma fila (Queue) estabelece uma política de entrada e saída FIFO (first in, first out), ou seja, o primeiro elemento a entrar na lista é o primeiro a sair.  Trata-se de uma lista encadeada onde as regras de inserção e remoção são bem definidas. Os elementos são sempre inseridos no início da lista e removidos do final da lista.

Fila FIFO

Só ressaltando, haverá situações em que você precisará mudar este comportamento e dar prioridade a um determinado elemento para que ele “fure a fila”. Para isso existe  a fila de prioridades (Priority Queue) .

Uma pilha estabelece uma política de entrada e saída LIFO (last in, first out), o último elemento a entrar é o primeiro a sair. Os elementos são empilhados um a um. Apenas o último elemento empilhado  pode  ser  removido  da  pilha,  pois  se  tentarmos  remover  um  elemento,  por exemplo, que se encontra no meio da pilha, corremos o risco de desestruturar toda a estrutura.

Pilha LIFO

Os conjuntos funcionam de forma análoga aos conjuntos da matemática, não permitem que sejam inseridos elementos duplicados num mesmo conjunto. A ordem em que os elementos são armazenados podem não ser a ordem na qual eles foram inseridos.

Conjuntos

As Árvores são estruturas de dados baseadas em listas encadeadas que possuem um nó superior também chamado de raiz que aponta para outros nós, chamados de nós filhos, que podem ser pais de outros nós. Nas árvores os dados estão dispostos de forma hierárquica.

Arvores tree estruturas

Este tipo de estruturas de dados é muito utilizada em banco de dados e sistema de arquivos. 

Uma tabela de espalhamento também conhecida como tabela de dispersão ou tabela hash, é uma estrutura de dados especial que você pode associar chaves e valores. É uma opção de estrutura que serve para organizar e armazenar dados de forma a agilizar o processo de pesquisa. Isso ocorre porque dada uma chave, a função Hash decide em qual endereço dessa tabela aquele valor deve ser armazenado.

A função Hash tem o objetivo de distribuir valores dentro de uma estrutura em função da sua chave. Em outras palavras, a função Hash deve descobrir qual é a categoria de um determinado elemento. Para isso, ela deve analisar as características chaves do próprio elemento.  Em um cenário perfeito essa operação deve ser constante ou O(1) pela notação O que, em teoria da computação é usada para descrever como o tamanho da entrada fornecido a um algoritmo qualquer afeta os recursos que o mesmo utiliza, sejam estes de memória ou tempo de execução. 

Big-O complexidade de algoritmo

Vamos pensar sobre a necessidade de otimização com o uso de hash. Imagine uma alteração de um nome qualquer de uma pessoa em uma lista encadeada de pessoas. Para encontrar a pessoa a ser modificada, é necessário percorrer a lista, na  pior situação, inteira. Mesmo em estruturas de dados muito eficientes como as Árvores Binárias é necessário varrer os dados para encontrar um determinado elemento. Podemos por exemplo pegar o primeiro caractere do nome. Dessa maneira, estaremos dividindo os grupos em grupos de pessoas que começam com A, B, C, D, …  O espalhamento é feito para que se tenha o menor número possível de objetos dentro de um grupo. E quando você efetuar a busca, ao invés de varrer a lista inteira, o algoritmo vai direto para o grupo, otimizando assim o resultado.

função Hash - tabela de espalhamento

Perceba que até o momento estamos analisando os diversos mecanismos de organização de dados para atender a diferentes requisitos de processamento em um nível bastante abstrato. Sobre esses dados, podemos  efetuar diversas operações como por exemplo:

  • inserir valor no início da lista;
  • inserir valor no fim da lista;
  • inserir valor em uma posição específica de um index;
  • remover o primeiro elemento;
  • remover um elemento em uma posição específica de um index;
  • remover o último elemento;
  • retornar um elemento em uma posição específica de um index;
  • verificar se a lista está vazia, etc…

É sobre essas operações que medimos a complexidade dos algoritmos e por consequência, conseguimos medir, neste caso, a eficiência das estruturas desses tipos abstratos de dados em relação às suas implementações e deste modo, podemos decidir qual estrutura de dados utilizar em nossas soluções. 

Este é um tema muito abrangente e, ao mesmo tempo, muito interessante. Não acaba por aqui, veja outros artigos da Jornada do Programador e nos vemos no próximo artigo. Até lá!

Confiança Sempre!!!

Referência de material com autoria conhecida:

MANDAWALLI, Felipe. Pagar para fazer trabalho acadêmico é ilegal. Disponível em: < Acesso em: 01 de outubro de 2018″>https://www.ime.usp.br/~pf/analise_de_algoritmos/aulas/Oh.html> Acesso em: 01 de outubro de 2018

Referências:

Walmir Silva

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Voltar ao topo